Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Monday, September 05, 2011

Violetas
















Um dia quebrarei todas as pontes
Que ligam o meu ser, vivo e total ,
À agitação do mundo do irreal ,
E calma subirei até às fontes


Irei até às fontes onde mora
A plenitude, o límpido esplendor
Que me foi prometido em cada hora ,
E na face incompleta do amor


Irei beber a luz e o amanhecer,
Irei beber a voz dessa promessa
Que às vezes como um vôo me atravessa,
E nela  cumprirei  todo  o  meu  ser.



Sophia de Mello Breyner

10 comments:

AC said...

A busca da plenitude em palavras inspiradas (simples, como deve ser).

Beijo :)

Atitude do pensar said...

Precisando beber dessa fonte!

Luis Filipe Gomes said...

lindíssimo e sem mácula.

Lilá(s) said...

Vim inalar o aroma das violetas e levo comigo o poema de Sophia.
Boa semana
Beijinhos

Carlos Ramos said...

A Sophia sabia muitas coisas. Sabia do essencial...

Aline said...

beber a poesia.
respirar o aroma das violetas.

aqui é tudo de bom. inspiradíssima.

bjus.
aline.

São said...

Uma maravilha!!

Beijinhos lilases.

ALUISIO CAVALCANTE JR said...

Querida amiga

Para isso fomos feitos.
Para encontrar
o que nos dá sentido,
e não nos afastarmos
da nossa essência,
na correria sem sentido
de cada dia.


Viver é sentir os sonhos
com o coração.

Rua Sem Dono said...

Cor da Flor!!
Desculpe-me pela intromissão, mas há uma questão que me intriga e talvez você possa me ajudar. Você que vive, para mim, num país de primeiro mundo, sente que todas as pessoas que vivem com você ai em Portugal são civilizadas e sabem que nossa liberdade termina quando começa a do outro, por que aqui no Brasil ninguém ainda entendeu isso, todos acham que liberdade e fazer o que quisermos, sem nenhum respeito pelo espaço dos outros?

Beijos

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa said...

É sempre um privilégio ler a Sophia.
Obrigada.
Beijo.