Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Sunday, December 27, 2009

Violetas .



Fecho as pálpebras roxas, quase pretas,
Que poisam sobre duas violetas,
Asas leves cansadas de voar...

E a minha boca tem uns beijos mudos...
E as minhas mãos, uns pálidos veludos,
Traçam gestos de sonho pelo ar...


Florbela Espanca

Friday, December 18, 2009

Alfazema .




Harmonioso vulto que em mim se dilui.
Tu és o poema ,
e és a origem donde ele flui.
Intuito de ter.
Intuito de amor , de amor não compreendido .
Fica assim amor. Fica assim intuito.
Prometido.



Natália Correia

Friday, December 11, 2009

Violetas.

Mal vai quando em todo o lugar surgem certezas .

É
o noivado com a morte .


Agostinho da Silva

Saturday, December 05, 2009

Alfazema .


/Nesta curva tão terna e lancinante
que vai ser que já é o teu desaparecimento
digo-te adeus
e como um adolescente
tropeço de ternura
por ti.




Alexandre O´Neill

Saturday, November 28, 2009

Violetas .



A dor de perder alguém em vida,
é
pior do que a dor da morte,
porque
é o nunca mais de alguém
que se poderia ter,
já que está vivo e por perto.

Caio Fernando Abreu

Friday, November 20, 2009

Alfazema .



Este homem que pensou
com uma pedra na mão
tranformá-la num pão ,
tranformá-la num beijo .

Este homem que parou
no meio da sua vida
e se sentiu mais leve
que a sua própria sombra .


António Ramos Rosa

Saturday, November 14, 2009

Violetas .



As palavras
cintilam na floresta do sono ,
e
o seu rumor
de corças perseguidas
ágil e esquivo , como o vento ,
fala de amor
e
solidão ...
quem vos ferir
não fere em vão ,
palavras .


Carlos de Oliveira

Saturday, November 07, 2009

Alfazema .



Uma lufada de ar , e nome de elfo , me bastaram à vida pouca e fria .
Um vírus te desfaz , a lume lento ,

nas retortas de França . Ou talvez não .

Talvez , um outro dia , te percorra
como quem tem o mundo por fronteira ,
e o ar revolto nos acolha e beije ,
como beijei a boca que mentia .

António Franco Alexandre

Saturday, October 31, 2009

Violetas .


Um nome,
um nome apenas, evocando alguém,
um lugar ou uma coisa, é a bagagem suficiente
para avançar pela noite dentro, esperar a morte,
ou iniciarmos o regresso...

Al Berto

Monday, October 26, 2009

Alfazema .




A vida ,
essa invenção magnífica da

morte .
*
*
Albano Martins _ Assim são as Algas _

Sunday, October 18, 2009

Violetas .



Ao longo dos séculos , o homem conseguiu impor -se à natureza .
Pacientemente ela foi suportando esses abusos .
Neste momento , estamos a sentir que até na natureza a paciência tem limites .

Saturday, October 03, 2009

Sunday, September 20, 2009

Violetas .



Qem não estiver familiarizado com o sublime , sente o sublime

como
inquietante e falso .
*
Friedrich Nietzsche

Wednesday, July 01, 2009

Alfazema .



Boas Férias para todos !

Saturday, June 20, 2009

Violetas .



... pegai na lira ,
Cantai um seio de violetas .

... porque o pranto na casa do poeta
não é permitido ,

nem isso nos convém . . .



Safo

Friday, June 12, 2009

Alfazema .


Queria ,
sempre o braço da minha mãe a baloiçar as amarras ,

que

me

prendem ás marés !

*

*

Daniel Faria

Wednesday, June 10, 2009

Violetas .



Num jardim adornado de verdura ,
Que esmaltavam por cima várias flores,
Entrou um dia a deusa dos amores ,
Com a deusa da caça e da espessura.

Diana tomou logo ũa rosa pura ,
Vénus um roxo lírio , dos melhores .
Mas excediam muito às outras flores
As violas , na graça e formosura.

Perguntam a Cupido, que ali estava ,
Qual de aquelas três flores tomaria
Por mais suave e pura , e mais formosa.

Sorrindo-se o menino lhes tornava
Todas formosas são , mas eu queria
Viola antes que lírio , nem que rosa .


Luis Vaz de Camões

Wednesday, June 03, 2009

Alfazema .


Um dia
o sonho despertou suavemente...
Flores coloridas dão um brilho perfumado
Ao voo encantado dos sentidos...
Ondas sonolentas salpicam memórias
Pintando quadros iluminados...
Brilhos celestiais envolvem sensualidades
Sorvendo carinhos transparentes...
Melodias encantadas escorrem delicadamente
Por entre aromas apaixonados...
Abrem-se as janelas do infinito ...
Absorvemos o esplendor do tempo adormecido
E
lentamente , descobrimos o amor

Diluído na imensidão
dos
jardins do universo. !
*
Jorge Viegas

Friday, May 29, 2009

violetas .



É
preciso amar o inútil.
Criar pombos sem pensar em comê-los , plantar roseiras sem pensar em colher rosas , escrever sem pensar em publicar, fazer coisas assim , sem esperar nada em troca.
A distância mais curta entre dois pontos pode ser a linha reta , mas é nos caminhos curvos que se encontram as melhores coisas da vida.
A música.
Este céu que nem promete chuva.
Aquela estrelinha nascendo ali... está vendo aquela estrelinha ?
Há milênios não tem feito nada , não guiou os reis magos , nem os pastores , nem os marinheiros perdidos ... apenas brilha.
Ninguém repara nela porque é uma estrela inútil.
Pois é preciso amar o inútil porque no inútil está a beleza.
No inútil também está Deus.
*
*
Eduardo Galeano _ O livro dos abraços _
*
*
Atrever - me -ia ir mais longe ... ... é no inutil que mais fácilmente se encontra Deus !

Thursday, May 21, 2009

Alfazema .




Qualquer
momento da vida ...


Bom ou mau ,
é nossa escolha
!

Saturday, May 16, 2009

Violetas .



Não deixo nem testamento ,
nem memória do que vi .
As vozes que me habitaram , os corpos que me queimaram ,
não sei que sorte tomaram

nem que levaram de mim/

Mas se me deixas a mão ,

vou ali e tenho dito !
*
António F. Alexandre

Saturday, May 09, 2009

Alfazema .



São
os dedos que tocam as flores ,

ou

são estas , que , delicadamente, pedem

ás mãos

um gesto suave de carícia ...
?

Albano Martins

Friday, May 01, 2009

Monday, April 27, 2009

Violetas .



Encostei-me a ti ,

sabendo bem que eras somente onda ,
sabendo bem que eras nuvem . . . depus a minha vida em ti ... !


Como sabia bem tudo isso , e dei-me ao teu destino frágil ...

e
fiquei sem poder chorar, quando caí .
!

*

*

Cecilia Meireles

Wednesday, April 15, 2009

Alfazema .


As mulheres voam
como os anjos .
Com as suas asas feitas
de cristal de rocha da memória ,
Disponíveis
para voar
soltas ...
Primeiro
lentamente ...uma por uma
Depois,
iguais aos pássaros
fundas ...
Nadando,
juntas
Secretas ... a rasar o chão
a rasar a fenda
da lua
no menstruo ,
por entre a fenda das pernas .
Às vezes é o aço
que se prende
na luz
A dobrarmos o espaço .
Bruxas ... pomos asas
em vassouras de vento
E voamos .
Como as asas
lhe cresciam nas coxas
diziam dela ...
que era um anjo do mar
Rondo alto,
postas em nudez de ombros
e pernas
perseguindo,
pelos espaços
lunares
da menstruação ,
e corpo desavindo .
Não somos violência
mas o voo ,
quando nadamos
de costas pelo vento
até à foz do tempo
no oceano denso
da nossa própria voz .
Sabemos distinguir
a dormir
os anjos das rosas voadoras .
pelo tacto ?
Somos os anjos
do destino
,
com a alma
pelo avesso
do útero .
Voamos a lua
menstruadas .
Os homens
gritam ...
– são as bruxas
As mulheres pensam ...
– são os anjos
As crianças dizem – são as fadas

Fadas
?
filigrama cintilante
de asas volteando
no fundo da vagina .

Nadamos
De costas,
no espaço deste
século .
Mudar o rumo
e as pernas mais ao
fundo ,
portas por trás
dobradas pelos rins .

Abrindo o ar
com o corpo num só golpe
.
Soltas,
voando
até chegar ao fim .

Dizem-nos ...

que nos limitemos ao espaço .
Mas nós voamos
também
debaixo de água .

Nós somos os anjos
deste tempo .
Astronautas ,
voando na memória
nas galáxias do vento...
Temos um pacto
com aquilo que
voa

as aves
da poesia

os anjos
do sexo

o orgasmo
dos sonhos

Não há nada
que a nossa voz não abra .

Nós somos as bruxas da palavra
!


Maria Teresa Horta

Saturday, April 11, 2009

Tuesday, April 07, 2009

Alfazema .



Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua ,

Por maior que seja o desespero ,

Nenhuma ausência é mais funda do que a tua.!

*

Sophia de Melo Breyner

Saturday, April 04, 2009

Violetas .



Podemos morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos. Podemos dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro. Podemos olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos...

O
que não podemos , mesmo , nunca , de jeito nenhum ... é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos , ter fé mais ou menos , e acreditar mais ou menos.
Porque
corremos o risco de nos tornarmos
uma pessoa mais ou menos.!



Chico Xavier

Wednesday, April 01, 2009

Alfazema .

Sê paciente ...

espera que a palavra amadureça ...

e

se desprenda , como um fruto , ao passar o vento

que a mereça. !

Eugénio de Andrade

Saturday, March 28, 2009

Violetas .



Estas violetas
nasceram porque o calor e a rega fez com que a sua semente se abrisse e as libertasse .
Façamos o mesmo com o nosso coração ...
Que ele se humidifique , ou seja , se torne flexivel , e , ao mesmo tempo , quente , e assim ...
se abra
a tudo que nos ajude
a
ser !

Saturday, March 21, 2009

Alfazema _ está com a Poesia _

Sábias agudezas , refinamentos... não!

Nada disso encontrarás aqui.

Um poema não é para te distraíres como com essas imagens mutantes de caleidoscópios.

Um poema não é quando te deténs para apreciar um detalhe . Um poema não é também quando paras no fim , porque um verdadeiro poema continua sempre...

Um poema que não te ajude a viver e não saiba preparar-te para a morte não tem sentido.

É um pobre chocalho de palavras.


Mario Quintana

Friday, March 20, 2009

Violetas .


As palavras
São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.
Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam
barcos ou beijos ,
as águas estremecem.
Desamparadas , inocentes ,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.
Quem as escuta
?

Quem as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras
? !


Eugénio de Andrade

Sunday, March 15, 2009

Alfazema .


Se
nos ligarmos ao silêncio ,
finda a luta , incessante , pelo controle

da

palavra !

Saturday, March 07, 2009

Violetas .



Eu quero uma licença de dormir,
perdão , pra descansar horas a fio,
sem ao menos sonhar
a leve palha de um pequeno sonho.
Quero o que antes da vida
foi o sono profundo das espécies,
a graça de um estado.
Semente.
Muito mais que raízes !


Adélia Prado

Friday, February 20, 2009

Alfazema .

Se
tu viesses ver-me hoje à tardinha,
a essa hora de mágicos cansaços,
quando a noite de manso se avizinha ,
e me prendesses toda nos teus braços ...

Os teus braços / os teus beijos / a tua mão na minha

Se tu viesses quando linda e louca . . .

Quando os meus olhos se cerram de desejo e os meus braços se estendem para ti . . . !

Florbela Espanca

Saturday, February 14, 2009

Violetas .



Nem toda a espécie de madeira serve para construir uma estátua !

Pitágoras