Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Saturday, September 10, 2011

Alfazema





















Tenho quarenta janelas,
nas paredes do meu quarto ,
sem vidros nem bambinelas ,
posso ver através delas ,
o mundo em que me reparto.


Por uma entra a luz do sol ,
por outra a luz do luar ,
por outra a luz das estrelas ,
que andam no céu a rolar.


Por esta entra a Via Láctea ,
como um vapor de algodão ,
por aquela a luz dos homens ,
pela outra a escuridão.


Pela maior entra o espanto ,
pela menor a certeza ,
pela da frente a beleza ,
que inunda de canto a canto.


Pela quadrada entra a esperança ,
de quatro lados iguais
quatro arestas , quatro vértices ,
quatro pontos cardeais.


Pela redonda entra o sonho ,
que as vigias são redondas ,
e o sonho afaga e embala ,
à semelhança das ondas.


Por além entra a tristeza ,
por aquela entra a saudade ,
e o desejo, e a humildade ,
e o silêncio, e a surpresa.


E o amor dos homens , e o tédio ,
e o medo , e a melancolia ,
e essa fome sem remédio ,
a que se chama poesia .


E a inocência , e a bondade ,
e a dor própria , e a dor alheia ,
e a paixão que se incendeia ,
e a viuvez , e a piedade.


E o grande pássaro branco ,
e o grande pássaro negro ,
que se olham obliquamente ,
arrepiados de medo .


Todos os risos e choros ,
todas as fomes e sedes ,
tudo alonga a sua sombra ,
nas minhas quatro paredes.

Oh janelas do meu quarto ,
que vos pudesse rasgar ,
com tanta janela aberta ,
falta-me a luz e o ar .





António Gedeão
Bernard Scholl

12 comments:

São said...

Aprecio muito Gedeão...e há muito tempo que o não encontrava

Uma serena noite para si, Maria

Bruno Gaspari said...

Visitei seu blog e só posso te dar os parabéns por tão competente seleção de poemas. Um presente aos leitores da boa poesia, meus cumprimentos poéticos.

Vou deixar meu endereço para que você me visite também e se quiser participar do meu blog, assim como já estou participando do seu, meu link é: http://bs-bg.blogspot.com/

Aguardo então sua visita, abraços!

Bruno

Nilson Barcelli said...

Há quantos anos não lia este poema, que acho soberbo.
Fixeste uma excelente escolha, querida Maria.
Tem um bom domingo (ou o que resta dele) e uma boa semana.
Beijos.

Rua Sem Dono said...

Cor da Flor!
Que nossa vida, em fim, seja como essa poesia cheia de todos, e sem podermos talvez e graças a Deus escolher, multifacetários sentimentos.
Grato pelas tuas doces e tão confortantes palavras.
Um Beijo.

。♥ Smareis ♥。 said...

Que lindo esse poema,Gedeão fala com a alma. Gosto disso demais. Beijo grande e ótima semana. ! Smareis

Maggie May said...

as vezes vemos a vida de uma janela, como expectadores...

O Profeta said...

Nesta terra linda e verde
As pedras guardam mil e um segredos
Um arpão rasga o ar na procura do mal
Um traidor veste um fato de mil medos

As águas lavarão a lama do caminho
O vento alisara as pegadas na areia do Mar
O tempo ficará suspenso por um momento
Para eu…Orar, Caminhar, Amar…


Mágico beijo

Atitude do pensar said...

Gosto de dizer que deixo todas as portas e janelas abertas.
Mas agora refletindo, penso que as vezes preciso ir lá fora, para não apenas permitir que entre o todo, mas que eu viva e entre transformada.

São said...

Vim reler Gedeão.

Um abraço, Maria

Mariazita said...

Olá, Maria
Voltei! Férias, agora, só daqui por um ano :)

Este poema é simplesmente fabuloso!
Aliás, gosto imenso de toda a poesia de Gedeão.

Feliz restinho de semana. Beijinhos

Lilá(s) said...

Não resisti, acabei de "roubar" a tua janela! é linda! e como fã de Gedeão não posso deixar de gostar do poema claro.
Bjs

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa said...

Muito interessante esta ideia das 40 janelas nas paredes do mosso quarto, que é o nosso mundo, a nossa vida.
Um abraço.