Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Monday, May 28, 2012

Alfazema

















Os homens temem as longas viagens ,
/
Por isso os seus passos os levam
de regresso a casa , às veredas da infância ,
ao velho portão em ruína , à poeira
das primeiras , das únicas lágrimas .

Quantas vezes em
desolados quartos de hotel

esperei em vão que me batesses à porta ,
voz da infância , que o teu silêncio me chamasse
!
/
Agora só quero dormir um sono sem olhos
/

Só quero um sítio onde pousar a cabeça .




Manuel António Pina

6 comments:

Nilson Barcelli said...

O poema é magnífico e muito bem escolhido.
A foto, já nem digo nada... és a maior especialista...
Beijo, querida amiga.

Mari Rehermann said...

Lindo poema...nostálgico!

Tenha uma excelente semana, repleta de luz e paz!!

Beijos!♥

Sonhadora said...

Minha querida

Que a criança que vive em cada um de nós nunca se apague da nossa alma, só assim os sonhos continuam vivos.
Maravilhoso este poema...muito bem escolhido.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

poetaeusou . . . said...

*
é, amiga,
no cheiro das violetas,
os homens,
"casulam-se",
nas suas origens,
“alfazemando” as insuficiências . . .
,
odoradas conchinhas,
ficam,
*

Lilá(s) said...

Hum que bom, conta aí como consegues tanta imagem de pasmar...
Bjs

O Profeta said...

Um sótão cheio de lembranças
Escrevi no pó palavras sem nexo
Retirei uma cartola de uma caixa de cartão
E senti ao toque o poder da ilusão

Ilusões…
Um cavalo de pau perdido ao carrocel
Uma estola de um bicho qualquer
Uma escultura talhada a cisel

Uma foto a preto e branco
De uma mulher sem rosto
Uma janela virada para nenhum lado
Uma traquitana a imitar o sol-posto

Bom fim de semana

Mágico beijo