Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Thursday, October 28, 2010

alfazema


Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer
!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder ...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer
!


Mas , meu Amor, eu não tos digo ainda ...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz
!

Amo-te tanto !
E nunca te beijei ...
E nesse beijo , Amor , que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz
!


Florbela Espanca

Saturday, October 23, 2010

Violetas .



Uma
sombra encostava a pata
ao vidro da janela .
Asim protegidos , adormeciamos .

Luisa Neto Jorge _ Poemario Assirio e Alvim _

Thursday, October 21, 2010

Alfazema .


*
No
regresso encontrei aqueles
que haviam estendido o sedento corpo
sobre infindáveis areias

tinham os gestos lentos das feras amansadas
e o mar iluminava-lhes as máscaras
esculpidas pelo dedo errante da noite
prendiam sóis nos cabelos entrançados
lentamente
moldavam o rosto lívido como um osso
mas estavam vivos quando lhes toquei
depois a solidão transformou-os de novo em dor
e nenhum quis pernoitar na respiração
do lume

ofereci-lhes mel e ensinei-os a escutar
a flor que murcha no estremecer da luz
levei-os comigo
até onde o perfume insensato de um poema
os transmudou em remota e resignada ausência
*
*Al Berto

Saturday, October 16, 2010

Violetas .





















*
Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.

há que sentar-se na beira
do poço da sombra ,
e

pescar luz caída
com paciência.


Pablo Neruda

Saturday, October 09, 2010

Alfazemas .


*
Os meus olhos são uns olhos.
E é com esses olhos uns
que eu vejo no mundo escolhos
onde outros, com outros olhos,
não vêem escolhos nenhuns.
Quem diz escolhos diz flores.
De tudo o mesmo se diz.
Onde uns vêem luto e dores ,
uns outros descobrem cores
do mais formoso matiz.
Nas ruas ou nas estradas
onde passa tanta gente ,
uns vêem pedras pisadas ,
mas outros, gnomos e fadas
num halo resplandecente.
Inútil seguir vizinhos,
querer ser depois ou ser antes.
Cada um é seus caminhos.
Onde Sancho vê moínhos
D.Quixote vê gigantes.

Vê moínhos
?
São moínhos.
Vê gigantes
?
São gigantes


António Gedeão
.

Saturday, October 02, 2010

Violetas


É fácil trocar as palavras ,
Difícil é interpretar os silêncios
!

É fácil caminhar lado a lado ,
Difícil é saber como se encontrar
!

É fácil beijar o rosto ,
Difícil é chegar ao coração
!

É fácil apertar as mãos ,
Difícil é reter o calor
!

É fácil sentir o amor ,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa
?

Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa .
As dos outros são olhares ,
São gestos, são palavras ,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo.

*
Fernando Pessoa