Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Saturday, April 09, 2011

violetas



Dão-nos um lírio e um canivete
e uma alma para ir à escola
mais um letreiro que promete
raízes, hastes e corola .
Dão-nos um mapa imaginário
que tem a forma de uma cidade
mais um relógio e um calendário
onde não vem a nossa idade .
Dão-nos a honra de manequim
para dar corda à nossa ausência.
Dão-nos um prémio de ser assim
sem pecado e sem inocência .
Dão-nos um barco e um chapéu
para tirarmos o retrato
Dão-nos bilhetes para o céu
levado à cena num teatro .
Penteiam-nos os crâneos ermos
com as cabeleiras das avós
para jamais nos parecermos
connosco quando estamos sós.
Dão-nos um bolo que é a história
da nossa historia sem enredo
e não nos soa na memória
outra palavra que o medo .
Temos fantasmas tão educados
que adormecemos no seu ombro
somos vazios despovoados
de personagens de assombro.
Dão-nos a capa do evangelho
e um pacote de tabaco
dão-nos um pente e um espelho
pra pentearmos um macaco .
Dão-nos um cravo preso à cabeça
e uma cabeça presa à cintura
para que o corpo não pareça
a forma da alma que o procura .
Dão-nos um esquife feito de ferro
com embutidos de diamante
para organizar já o enterro
do nosso corpo mais adiante .
Dão-nos um nome e um jornal
um avião e um violino
mas não nos dão o animal
que espeta os cornos no destino .
Dão-nos marujos de papelão
com carimbo no passaporte
por isso a nossa dimensão
não é a vida, nem é a morte .



Natália Correia

9 comments:

AC said...

Maria,
Este poema, na voz de José Mário Branco (álbum "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades") foi, na altura, uma pedrada no charco da minha modesta existência.
Sabe bem revisitar.

Beijo :)

Marilu said...

Querida amiga, lindo poema. Tenha um excelente final de semana. Beijocas

Rua Sem Dono said...

Cor da Flor!
Que o medo “deles” não nos faça temerários de navegarmos em todos os “nossos” mais desastrosos e desconhecidos mares.

Érico Cordeiro said...

Oi, Maria,
Parabéns pelo blelíssimo blog. Virei sempre aqui e já o pus entre os meus favoritos.
Aproveito para convidá-la - e os seus leitores - a conhecer o blog Jazz + Bossa:
www.ericocordeiro.blogspot.com
Abraços fraternos!

Miguel said...

Minha cara Lilaz, maravilhosa poesia, nos traz grandes verdades, mais uma vez saio reconfortado deste espaço que já estou viciado. Beijo minha amiga, até outras vezes...

Atitude do pensar said...

Entre essas palavras vi a existência humana. Ser paradoxal, vida paradoxal, exist~encia paradoxal.
Mas antes nos dar, do que nos tirar. Falta-nos sentires e razões para descobrir como usá-los.
Bjus,
K.

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa said...

A Grande Natália Correia continua entre nós.
Um beijo.

Viviana said...

Olá!

Que interessante!

Identifiquei a autora por estas palavras:

"Dão-nos um cravo preso à cabeça

e uma cabeça presa à cintura

para que o corpo não pareça

a forma da alma que o procura ."

Fixei aqui há tempos quando li algumas das suas obras.

Continua muito bonito o seu blogue.
Estas côr violeta...

Um abraço

viviana

Magda said...

Maravilhoso, muito mágico!
Parabéns amiga por sua criatividade.
Lindo! Voltarei sempre.
Espero novas visitas. Beijo e abraço!