Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Saturday, March 02, 2013

violetas

 





 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
. . .

Toda a manhã que raia, raia sempre no mesmo lugar .

Eu adoro todas as coisas  .
E o meu coração é um albergue aberto toda a noite .
Tenho pela vida um interesse ávido
Que busca compreendê-la sentindo-a muito .
Amo tudo , animo tudo , empresto humanidade a tudo ,
Aos homens e às pedras , às almas e às máquinas ,
Para aumentar com isso a minha personalidade .

Pertenço a tudo para pertencer cada vez mais a mim próprio .
E a minha ambição era trazer o universo ao colo

Como uma criança a quem a ama beija .

Dá-me lírios , lírios
E rosas também .
Dá-me rosas , rosas ,
E lírios também ,
Crisântemos , dálias ,
Violetas , e os girassóis
Acima de todas as flores ...

Deita-me as mancheias ,
Por cima da alma ,
Dá-me rosas , rosas
,
E lírios também ...

Minha dor é velha
Como um frasco de essência cheio de pó .
Minha dor é inútil
Como uma gaiola numa terra onde não há aves ,
E minha dor é silenciosa e triste
Como a parte da praia onde o mar não chega.

Dá-me rosas , rosas ,
E lírios também
...

 

 
 
Álvaro de Campos

6 comments:

AC said...

Maria,
As flores ajudam a atenuar o desconforto da constatação de haver uma "parte da praia onde o mar não chega".

Beijo :)

Audrey Andrade said...

Dá-nos lírios, dá-nos roras e também dá-nos amor e acalanto!

Lindo, lindo!

Luis Filipe Gomes said...

é outro poema este poema que recolheste do
"Acordar da cidade de Lisboa, mais tarde do que as outras,(...)
O poema integral é revolucionáriamente moderno à maneira de Cesário Verde, nele há uma espécie de sofreguidão do sofrimento alheio para mitigação do sofrimento próprio; uma forma pré-sacrificial e catártica muito presente nestes dias pouco esperançosos que vamos vivendo.

Maria Rodrigues said...

As flores aliviam a nossa alma, pois enebriam com a sua beleza o nosso olhar. Lindo poema e um blog encantador, meus parabéns.
Bom domingo
Um abraço
Maria

poetaeusou . . . said...

*
um Belo
e Florido Jardim !
,
parabens,
,
floridas marés !
*

Emília Pinto e Hermínia Lopes said...

E saber viver é isso...é querer rosas...lírios...lírios e rosas; é querer essência...querer humanidade no coração, no nosso e no dos outros. Só querendo rosas...só querendo até aquelas florzinhas silvestres e simples é que poderemos atenuar as dores e ultrapassar os obstáculos da caminhada. Muito lindo este poema, amiga. Um beijinho e boa noite
Emília