Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Thursday, May 13, 2010

Alfazema .



Feita toda de gesso
só os pés de ouro .
Como pô - la erecta
se te derrete nas mãos ,
os olhos de vidro prestes a rolarem ?
Deixa - a ficar de joelhos
e esquece - a .
Não quero ver - te levantar de novo
para segurá - la .


Hristós Valavanídis _ Rosa do Mundo 2001 poemas para o futuro _

15 comments:

Lilá(s) said...

Esses poemas eu não conhecia! as imagens que descobres são de pasmar sempre de encontro ao meus gostos!!!
Bjs

Elaine Barnes said...

Essa imagem me lembra tarô. Linda demais e a gatinha caminhando também adorei! Montão de bjs e abraços

a magia da noite said...

talvez apenas com a imaginação se possa fazer do pó a nossa mão.

MEU DOCE AMOR said...

Olhos de vidro são frágeis.Sendo a visão os olhos da alma...e se alma se quebra?

Beijinho doce e vem sonhar comigo

http://vemsonharcomigo.blogspot.com/

Carlos Pires said...

A FLOR E A NÁUSEA

«Preso à minha classe e a algumas roupas,
vou de branco pela rua cizenta.
Melancolias, mercadorias, espreitam-me.
Devo seguir até o enjôo?
Posso, sem armas, revoltar-me?

Olhos sujos no relógio da torre:
Não, o tempo não chegou de completa justiça.
O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera.
O tempo pobre, o poeta pobre
fundem-se no mesmo impasse. (...)»

e etc., pois ainda há outras estrofes

Lilazdavioleta said...

Carlos Pires ,
agradeço a sua visita e aproveito para aqui deixar os " ects " do poema de Carlos Drummond de Andrade ,
/
Em vão me tento explicar, os muros são surdos.

Sob a pele das palavras há cifras e códigos.

O sol consola os doentes e não os renova.As coisas.

Que tristes são as coisas, consideradas sem ênfase.

Vomitar esse tédio sobre a cidade.

Quarenta anos e nenhum problema resolvido, sequer colocado.

Nenhuma carta escrita nem recebida.

Todos os homens voltam para casa.

Estão menos livres mas levam jornaise soletram o mundo, sabendo que o perdem.

Crimes da terra, como perdoá-los?

Tomei parte em muitos, outros escondi.

Alguns achei belos, foram publicados.

Crimes suaves, que ajudam a viver.

Ração diária de erro, distribuída em casa.

Os ferozes padeiros do mal.Os ferozes leiteiros do mal.

Pôr fogo em tudo, inclusive em mim.

Ao menino de 1918 chamavam anarquista.

Porém meu ódio é o melhor de mim.

Com ele me salvoe dou a poucos uma esperança mínima.

Uma flor nasceu na rua!

Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.

Uma flor ainda desbotada

ilude a polícia, rompe o asfalto.

Façam completo silêncio, paralisem os negócios,

garanto que uma flor nasceu.

Sua cor não se percebe.

Suas pétalas não se abrem.

Seu nome não está nos livros.

É feia. Mas é realmente uma flor.

Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde

e lentamente passo a mão nessa forma insegura.

Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.

Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico.

É feia.

Mas é uma flor.

Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio.

~*Rebeca e Jota Cê*~ said...

Coisas assim me deixam leve...

Singela inspiração:

http://www.flickr.com/photos/chuazinha/sets/72157622436693602/show/with/3946811028/

Que seu começo de semana seja de luz, menina linda.

Rebeca

-

Vieira Calado said...

Não se come o dinheiro

mas é preciso

que o dinheiro não nos coma...

Bjs

~*Rebeca e Jota Cê*~ said...

Maria,

Dá pra sentir, de perto e de longe, sua delicadeza. Seja postando palavras que alimentam ou com imagens que preenchem nossos olhos. Mas, menina do céu, ameeeeeeeei o vídeo, bem nordestino, bem meu povo.

Um beijo imenso, menina linda que adoro demais.

Rebeca

-

AC said...
This comment has been removed by the author.
AC said...

Fiquei preso aos versos de Hristos Valavanidis, tentando penetrar na subtileza das palavras em busca da possível mensagem.
Muitas vezes acontece-nos o mesmo na vida, deixando que o efémero e o supérfluo nos ocupe em detrimento de algo mais profundo.
As palavras do poeta, certeiras, são subtileza a deslizar na evidência.

Cadinho RoCo said...

Do jeito que for estará bem.
Cadinho RoCo

Beatriz Prestes said...

Inspiração total, que faz a gente querer ler e se aprofundar mais e mais em tua poesia!
Amei!!
Beijo carinhoso minha amiga
Bea

Vieira Calado said...

Belo!

E a imagem também!

Bom fim de semana

Barbara said...

Profundo isso.
Para ficar pensando.