Olho por olho , e o mundo ficará cego .











Mahatma Gandhi








Saber


Vi _Ver .



Saturday, November 24, 2012

Violetas



















Este homem que entre a multidão
enternece por vezes destacar
é sempre o mesmo aqui ou no japão
a diferença é ele ignorar .

Muitos mortos foram necessários
para formar seus dentes um cabelo
vai movido por pés involuntários
e endoidece ser eu a percebê-lo .

Sentam-no à mesa de um café
num andaime ou sob um pinheiro
tanto faz desde que se esqueça
que é homem à espera que cresça
a árvore que dá dinheiro .


Alimentam-no do ar proibido
de um sonho que não é dele
não tem mais que esse frasco de vidro
para fechar a estrela do norte.


E só o seu corpo abolido
lhe pertence na hora da morte  .




 

Natália  Correia

Saturday, November 17, 2012

Alfazema


















E há palavras nocturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos connosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais só sombra só soluço
só espasmos só amor só solidão desfeita
Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar .




Mario  Cesariny

Saturday, November 10, 2012

Violetas

















Mas eu , em cuja alma se refletem
As forças todas do universo ,
Em cuja reflexão emotiva e sacudida
Minuto a minuto , emoção a emoção ,
Coisas antagônicas e absurdas se sucedem
Eu o foco inútil de todas as realidades ,
Eu o fantasma nascido de todas as sensações ,
Eu o abstrato , eu o projetado no écran ,
Eu a mulher legítima e triste do Conjunto  .


Eu  sofro  ser  eu  através  disto  tudo ,

 como  ter  sede  sem  ser  de água .




Álvaro de Campos